/ Cozinhar
Sopa, um prato que (também) se come frio
Publicado em 02/03/2012 14:20:56

Sopas geralmente são servidas quentes e por isso, fazem mais sentido no inverno. Certo? Nem sempre. Nos exagerados verões espanhóis, por exemplo, onde os termômetros chegam a registrar implacáveis 45º C, a população, antes mesmo da descoberta da América, já recorria ao Gazpacho.

 

Inicialmente um preparo simplório nascido em Sevilha, na Andaluzia, para aplacar a fome das camadas mais pobres da população, que juntava pasta de pão (velho), alho e azeite em uma vasilha chamada dornillo e servido frio.  Mais tarde evoluiu para um creme ainda à base de pão, mas incrementado com anchova, vinagre, azeite e açúcar e sal, o Capon de Galera.

 

Só com a chegada do tomate americano à Europa no século XVI é que o Gazpacho ganhou os contornos que conhecemos hoje, sendo acrescido também de cebola, pepino e pimentões. E passou de “comida de pobre” a “petisco de rico”, como descreve Roberta Malta Saldanha em Histórias, lendas e curiosidades da Gastronomia (ed. Senac). Hoje, cada região da Espanha tem diferentes receitas do prato. Em Antequera, é preparado com maionese caseira, suco de limão, claras de ovo, alho e amêndoas.

 

Em Málaga, leva caldo de vitela. Em Granada, com cominho e pão em cima do creme e em Jerez, com fatias de cebola crua. Em quase todas as versões o pão ou a farinha de rosca aparece como base. Tanto que a enciclopédia Larousse da Gastronomia, define que o nome gazpacho, de origem árabe, significa ‘pão encharcado’. “Uma sopa tradicionalmente preparada em uma tigela de barro em que o pão permanecia embebido no suco de tomate e na água antes de ser batido”.

 

Outra sopa fria igualmente tradicional, e talvez a mais célebre no mundo, é a francesa Vichyssoise. A sopa à base de batata e alho poró servida fria nasceu em 1917, no Roof Garden Restaurant hotel Ritz-Carlton, em Nova York. Reza a lenda que o chef francês, Luis Diat (1885-1957) fazia a receita da sua mãe Annete Alajoinine Diat, com frequência, mas no dia da inauguração esqueceu de aquecê-la. O mais provável é que devido ao calor decidiu servi-la fria adicionando o creme de leite e decorando com ciboulette. O nome Crême de Vichyssoise Glacée é uma homenagem à cidade termal de Vichy, na França, que mais tarde reduziu-se a Vichyssoise. 

 

Em Portugal também é comum encontrar sopas frias. Há invencionices como o creme de melão com natas e pedacinhos de presunto cru, o gazpacho de morango com camarão e gengibre, a sopa fria de beterraba ou de melancia com manjericão e a de couve-flor e coentro. Já os italianos de Florença, gostam de saborear nos dias quente uma sopa fria tradicional feite de pimentões amarelos.

 

Fato é que independente da região, as sopas e cremes frios vêm com o intuito de aplacar o ardor dos dias quentes com leveza. O Basilico selecionou algumas receitas de chefs entre tradicionais e modernas, mas todas com o mesmo intuito: refrescar.

 

 

Gazpacho Andaluz do Carlota Gazpacho do eñe

 

Sopa fria de tomares do Tasca da Esquina

 


Sopa vichyssoise com um toque brasileiro

 


Gazpacho amarelo com cubinhos de tender

 



Gazpacho de tomate e melancia
Sopa de pepino e hortelã

 

 

Veja também:


 

Escreva para redacao@basilico.com.br

Veja outras notícias do Basílico

BasilicoEnvie esta notícia | Basilico Versão para impressora

Compartilhe

Facebook | Twitter | Digg | Del.icio.us | Yahoo! Buzz | Linkedin

Myspace | Reddit

Simple Tabs with CSS & jQuery

Vinhos para os dias mais quentes - Alexandra Corvo

Saiba cada vez qu o Basilico for atualizado assinando o RSS abaixo:

- Notcias - Cozinhar
- Comer - Beber
- Fumar - Viagem
- Cultura - Comprar
- Colunas - Blogs
- Especiais - Guia Josimar
- Mercado - Arquivo
- S.O.S  

* O Rss é uma forma de facilitar o acesso a uma quande quantidade de informações. Assinando um RSS você é avisado cada RSS você é avisado cada vez que o site costuma acessar for atualizado.

Para compartilhar o conteúdo deste site ou mesmo adicionar em seus favoritos, basta utilizar as ferramentas abaixo.


Ainda não possui cadastro?

NOTÍCIAS
Macaron com o melhor chocolate do mundo
Confeitaria carioca abre em São Paulo com docinhos exclusivos
Baladas etílico-gastronômicas
Boa música e comidinhas embalam disputadas festas paulistanas
Barraquinha nipônica
Chef serve pratos populares do Japão em calçada do Itaim
No Rio, o mestre dos queijos
Especialista francês traz 120 tipos em jantares no Rio de Janeiro
Orgânicos vão do hotel à rua
Oscar Freire recebe produtos agrícolas e oficinas gastronômicas
Fuja do miojo!
Estúdio na Vila Madalena dá aulas de receitas de até 10 minutos
Mais Lidas
Festival de midos  italiana
Trattoria paulistana tem seis receitas com ingredientes como fígado, tripa e língua
Macaron com o melhor chocolate do mundo
Confeitaria carioca abre em São Paulo com docinhos exclusivos
Baladas etlico-gastronmicas
Boa música e comidinhas embalam disputadas festas paulistanas
Barraquinha nipnica
Chef serve pratos populares do Japão em calçada do Itaim
Coluna Jorge Carrara
Vinhos italianos feitos entre o mar e as montanhas
Champanhe no terrao
Casa contemporânea tem longa e charmosa happy hour